OCORRÊNCIA DE PARASITOS EM FRUTAS COMERCIALIZADAS NAS RUAS DA CIDADE DE APARECIDA DE GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL

Authors

  • Thiago de Almeida Silva Acadêmico do Curso de Medicina, Universidade de Rio Verde, Aparecida de Goiânia, Goiás.
  • Ana Luiza Aguiar Ávila Acadêmico do Curso de Medicina, Universidade de Rio Verde, Aparecida de Goiânia, Goiás.
  • Gabriel Antonelli Acadêmico do Curso de Medicina, Universidade de Rio Verde, Aparecida de Goiânia, Goiás.
  • Murilo Barros Silveira Biomédico (TAE), Laboratório de Imunidade Natural do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás.
  • Daniela de Sousa Mendes Moreira Laboratório de Estudos das Relações Parasito-Hospedeiro, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPSTP), Universidade Federal de Goiás-UFG.
  • Jaqueline Ataíde Silva Lima Laboratório de Estudos das Relações Parasito-Hospedeiro, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPSTP), Universidade Federal de Goiás-UFG.
  • Ana Maria de Castro Professora no Departamento de Imunologia, Microbiologia, Parasitologia e Patologia do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP), da Universidade Federal de Goiás- UFG.
  • Hânstter Hállison Alves Rezende Professor do curso de Biomedicina, Unidade Acadêmica Especial de Ciências da Saúde, Regional Jataí, Universidade Federal de Goiás-UFG.

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v2i2.1054

Keywords:

Parasitoses, Saúde Pública, Comercialização de produtos, Alimentos de rua.

Abstract

A principal fonte de infecção por parasitos intestinais pode ser a água e/ou alimentos contaminados ingeridos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocorrência de parasitos em frutas comercializadas nas ruas de Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil. Foram avaliadas frutas no primeiro semestre de 2017, coletadas nas ruas. A análise parasitológica foi realizada com as técnicas de Willis, Faust, Hoffman, Sheather, cultura para o isolamento de Amebas de Vida Livre e coloração por Ziehl-Nielsen modificado. Em 30 amostras analisadas, 15 (50%) foram positivas. Os parasitos encontrados foram: Acanthamoeba spp. em 5(17%), Giardia intestinalis em 2(6,6%), Entamoeba coli em 2(6,6%), Cryptosporidium spp. em 1 (3,3%), Endolimax nana em 1(3,3%), ovo de Fascíola Hepática em 1(3,3%), ovo de Ascaris lumbricoides em 1(3,3%), Endolimax nana em 1(3,3%). Foi possível, com as técnicas utilizadas, verificar que as amostras de frutas apresentaram contaminação por parasitos, o que evidencia a exposição da população consumidora destes alimentos. Portanto, medidas profiláticas como ações educativas com a propagação de informações sobre higienização por parte dos consumidores, produtores e manipuladores fazem-se necessárias.

References

Alves, D. S. M. M, Cuba, C. A. C. (2012). Avanços no Isolamento e Caracterização Biológica e Molecular de Acanthamoeba spp. (Acanthamoebidae) – Ameba de Vida Livre: Determinação Experimental do Potencial Patogênico (Tese de doutoramento). Universidade de Brasília, Brasil.

Bortolatto, J. M., Sniegovski, T. S., Bernardi, L. B., Crippa, A, D. R. (2017). Prevalence of parasites with zoonotic potential in soil from the main public parks and squares in Caxias do Sul, RS, Brazil. Revista de Patologia Tropical, 46(1), 85-93.

Brauer, A. M. N. W., Silva, J. C., Souza, M. A. A. (2016). Distribuição de enteroparasitos em verduras do comércio alimentício do município de São Mateus, Espírito Santo, Brasil. Natureza online, 14(1), 55-60.

Bruni, B. R. et al. (2015). Avaliação Parasitológica em amostras de Alface (Lactuva sativa) de Comércio do Município de Jacareí/SP. Revista da Universidade do Vale do Paraíba, 3(2), 1-4.

Castrillón, J. C., Orozco, L. P. (2013). Acanthamoeba spp. como parásitos patógenos y oportunistas. Revista chilena de infectologia, 2(30), 1-9.

Falavigna, L. M., Freitas, C. B. R., Melo, G. C., Nishi, L., Araújo, S. M., Guilherme, A. L. (2005). Qualidade de hortaliças comercializadas no noroeste do Paraná, Brasil. Revista de Parasitologia Latinoamericana, 3(60), 144-149.

Faust, E. C., Sawitz, W., Tobie, J., Odom, V., Peres, C., Lindicome, D. R. (1939) Comparative efficiency of various technics for the diagnosis of protozoa and helminth in feces. Journal of Parasitology, 25(2), 241-262.

Ferreira, G. R., Andrade, C. F. S. (2005). Alguns aspectos socioeconômicos relacionados a parasitoses intestinais e avaliação de uma intervenção educativa em escolares de Estiva Gerbi-SP. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 38(5), 402-405.

Gomes, C. R. S., Machado, E. J., Mucke, N. (2011). Avaliação das Metodologias de Higienização de Hortaliças in natura Empregadas pela População de Medianeira-PR, Utilizando Alfaces (Lactuca sativa) de Diferentes Fontes de Adubação (Dissertação de mestrado). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Brasil.

Greub, G., Raoult, D. (2004). “Microorganisms resistant to free-living amoebae”. Clinic microbiology reviews, 17(1), 413-433.

Henriksen, S. A., Pohlenz, J. F. L. (1981). Staining of Cryptosporidia by a modified Ziehl- Neelsen technique. Acta Veterinária Scandinavica, 22(4), 594-596.

Hoffmann, W. A., Pons, J. Á., Janer, J. L. (1934). Sedimentation concentration method in schistosomiasis, Puerto Rico. Journal of Public Health, 9(2), 283-298.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). Atlas cidades – Aparecida de Goiânia: IBGE.

Khan, N. A., Siddiqui, R. (2012). Biology and Pathogeneis of Acanthamoeba. Parasites & Vectors, 5(6), 1-6.

Ministério da Saúde. (2014). Manual Integrado de Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos. 2. Ed. São Paulo.

Mesquita, D. R. et al. (2015). Ocorrência de parasitos em alface-crespa (Lactuca sativa) em hortas comunitárias de Teresina, Piauí, Brasil. Revista de Patologia Tropical, 44(1), 67-76.

Montanher, C. C., Coradin, D. C., Silva, S. E. F. (2017). Avaliação parasitológica em alfaces (Lactuca sativa) comercializadas em restaurantes Self-service por quilo, da cidade de Curitiba, Paraná, Brasil. Estudos em Biologia, 29(66), 63-71.

Sheather, A. L. (1923). The detection of intestinal protozoa and mange parasites by a floatingtechnique. The Journal of Comparative Pathology, 36(3), 266-275.

Silva, A. K. P., Lima, A. O., Rodriguez, V., Bovaentura, J. A. (2016). Ocorrência de enteroparasitos em morangos (Fragaria vesca) comercializados na cidade de Goiânia-GO. Newslab, 85(1), 6-11.

Silva, C. G. M., Andrade, S. A. C., Stamford, T. L. M. (2005). Ocorrência de Cryptosporidium spp. e outros parasitas cm hortaliças consumidas in natura, no Recife. Ciência & Saúde Coletiva, 10(2), 63-69.

Silva, M. G. S., Gontijo, E. E. L. (2012). Avaliação Parasitológica de Alfaces (Lactuca sativa) Comercializadas em Supermercados e Feiras Livre do Município de Gurupi, Tocantins. Revista Científica da ITPAC, 5(1), 1-10.

Soares, B., Cantos, G. A. (2005). Qualidade parasitológica e condições higiênico sanitárias de hortaliças comercializadas na cidade de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(4), 377-384.

Xavier, A. Z. P., Vieira, G. D. G., Rodrigues, L. O. M., Valverde, L. O., Pereira, V. S. (2009). Condições higiênico-sanitárias das feiras-livres do município de Governador Valadares [Dissertação de mestrado]. Universidade Vale do Rio Doce, Brasil.

Willis, H. H. A. (1921). A Simple Levitation Method for the Detection of Hookworm Ova. The Medical Journal of Australia, 8(1), 375–376.

Published

2019-11-23

How to Cite

Silva, T. de A., Ávila, A. L. A., Antonelli, G., Silveira, M. B., Moreira, D. de S. M., Lima, J. A. S., Castro, A. M. de, & Rezende, H. H. A. (2019). OCORRÊNCIA DE PARASITOS EM FRUTAS COMERCIALIZADAS NAS RUAS DA CIDADE DE APARECIDA DE GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 2(2), 68-71. https://doi.org/10.33837/msj.v2i2.1054

Issue

Section

Biological and Health Sciences

Most read articles by the same author(s)