The epidemiological profile of syphilis cases in pregnant women in Mineiros city, Goiás, between 2015 and 2018

Authors

  • Bárbara Rocha Gonçalves Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-0048-7424
  • Ricardo Silva Tavares Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil. Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8906-2165
  • Breno Oliveira de Assis Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-9403-8709
  • Maria Clara Ribeiro Figueiredo Medical student, Centro Universitário de Mineiros (UNIFIMES), Mineiros-GO, Brazil
  • Melissa Carvalho Martins de Abreu Professor, Centro Universitário de Mineiros (UNIFIMES), Mineiros-GO, Brazil
  • Camila Botelho Miguel Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro Universitário de Mineiros – UNIFIMES, Mineiros, Goiás, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-1506-8476
  • Wellington Francisco Rodrigues Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-3426-2186

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v3i3.1241

Keywords:

Congenital syphilis, Epidemiologic Surveillance, Gestational syphilis

Abstract

The purpose of this study was to analyze the epidemiological profile of syphilis cases in pregnant women living in Mineiros city, Goiás, between 2015 and 2018. This was a descriptive epidemiological study using a quantitative approach. The study was basedon the data obtained from the Information System for Notifiable Diseases (SINAN-NET), Information System on Live Births (SINASC) in Mineiros city, Goiás, between January 2015 and August 31st 2018. In 2015, fewer cases were reported compared to the other years, whereas increasing numbers have been observed over the period evaluated, leading to the question of possible sub-registrations. Thus, it is clear that between 2015 and 2018, there was a prevalenceof syphilisin the age group of 20–29 years that represented 47.6% of cases in the year 2017, followed by the group of 15–19 years with 44.4% of cases in 2016.An analysis of the cases stratified by schooling showed that the disease was more common in women who attended school till 5th to 8th grades, i.e., women who had incomplete elementary schooling, representing 33.3% of the cases of pregnant women with syphilis in the year 2017. The study showed a significant increase in the number of gestational syphilis cases in teenagers and young adults over the years.

Author Biographies

Bárbara Rocha Gonçalves, Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil.

Graduação em Medicina - Faculdade Morgana Potrich (FAMP) - Mineiros, GO, Brasil.

Ricardo Silva Tavares, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil. Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil

Biomédico(a) da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Graduação em Medicina - Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil 

Breno Oliveira de Assis, Faculdade Morgana Potrich (FAMP)- Mineiros, GO, Brasil.

Graduação em Medicina - Faculdade Morgana Potrich (FAMP) - Mineiros, GO, Brasil.

Camila Botelho Miguel, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil. Centro Universitário de Mineiros – UNIFIMES, Mineiros, Goiás, Brasil.

Biomédico (a), Doutor (a) em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Wellington Francisco Rodrigues, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Biomédico (a), Doutor (a) em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

References

Araújo, C. L., Shimizu, H. E., Sousa, A. I. A., Hamann, E. M. (2012). Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública, 46(3), 479-486.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde (2020). Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Cardoso, A. R. P., Araújo, M. A. L., Cavalcante, M. S., Frota, M. A., Melo, S. P. (2018). Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(2), 563-574.

Domingues, R. M. S. M., Leal, M. C. (2016). Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(6), e00082415.

Domingues, R. M. S. M., Saraceni, V., Hartz, Z. M. A., Leal, M. C. (2013). Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev Saúde Pública, 47(1), 147-157.

Lafetá, K. R. G., Martelli-Júnior, H., Silveira, M. F., Paranaíba L. M. R. (2016). Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol, 19(1), 63-74.

Lima, M. G., Santos, R. F. R., Barbosa, G. J. A., Ribeiro, G. S. (2013). Incidência e fatores de risco para sífilis congênita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Ciência & Saúde Coletiva, 18(2), 499-506.

Medeiros, C. R. G., Junqueira, A. G. W., Schwingel, G., Carreno, I., Jungles L. A. P., Saldanha O. M. F. L. (2010). A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família.Ciência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1), 1521-1531.

Medina, M. G., Hartz, Z. M. A. (2009). The role of the Family Health Program in the organization of primary care in municipal health systems. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(5), 1153-1167.

Milanez, H., Amaral, E. (2008). Por que ainda não conseguimos controlar o problema da sífilis em gestantes e recém-nascidos? Rev Bras Ginecol Obstet, 30(7), 325-327.

Nonato, S. M., Melo, A. P. S., Guimarães, M. D. C. (2015). Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília. 24(4), 681-694.

Organização Mundial de Saúde (OMS) (2019). Sexually transmitted infections. Available in: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/sexually-transmitted-infections-(stis) Access in: 02/09/2020

Padovani, C., Oliveira, R. R., Pelloso, S. M. (2018). Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil; Rev. Latino-Am. Enfermagem,26, e3019.

Peeling, R. W., Mabey, D., Kamb, M. L., Chen, X. S., Radolf, J. D., Benzaken, A. S. (2017). Syphilis. Nat Rev Dis Primers, 3, 17073.

Qin, J. B., Feng, T. J., Yang, T. B., Hong, F. C., Lan, L. N., Zhang, C. L., et al. (2014). Synthesized prevention and control of one decade for mother-to-child transmission of syphilis and determinants associated with congenital syphilis and adverse pregnancy outcomes in Shenzhen, South China.Eur J Clin Microbiol Infect Dis, 33, 2183-2198.

Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde (2019). Boletim Epidemiológico – Sífilis; Brasília: Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais - DIAVH/SVS/MS. Available in: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-sifilis-2019,Access in: 08/04/2020.

Silva, N. R. (2011). Fatores determinantes da carga de trabalho em uma unidade básica de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 16(8), 3393-3402.

WHO (World Health Organization) (2015). The Global Strategy for Women’s, Children’s and Adolescents’ Health, 2016-2030. Available in: https://www.who.int/life-course/partners/global-strategy/ewec-globalstrategyreport-200915.pdf?ua=1, Access in: 10/03/2020.

Downloads

Published

2020-11-18

How to Cite

Gonçalves, B. R., Tavares, R. S., de Assis, B. O., Figueiredo, M. C. R., de Abreu, M. C. M. ., Miguel, C. B., & Rodrigues, W. F. (2020). The epidemiological profile of syphilis cases in pregnant women in Mineiros city, Goiás, between 2015 and 2018. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 3(3), 60-64. https://doi.org/10.33837/msj.v3i3.1241

Issue

Section

Biological and Health Sciences