CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA HOMOFOBIA NA ESCOLA: uma revisão bibliográfica

Rafael Porto Vieira, Sandra Regina Marcolino Gherardi, Mirlene Fátima Simões Wexell Severo

Resumo


A homofobia é o medo, aversão, antipatia, desprezo e preconceito em relação a pessoas homossexuais, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. Diante do contexto, o objetivo do presente artigo foi identificar as principais causas e consequências da homofobia na escola, e também, conceituar seus principais eixos temáticos. Este estudo utilizou como método a revisão bibliográfica, onde por princípio foi realizada uma busca minuciosa dos principais livros que tratavam da homofobia na escola e dos principais eixos temáticos, e posteriormente, foi realizada a busca de publicações indexadas na plataforma Google Acadêmico, provenientes do ano de 2016 e que possuíssem relação com o tema em questão. O corpus de análise foi composto por 19 artigos, que tiveram seus resumos e conclusões analisados sistematicamente. Eram integralmente brasileiros, redigidos em português e majoritariamente resultantes dos estados de São Paulo (21,05%) e Bahia (21,05%). Foram identificados 10 periódicos com destaque para a revista: FAEEBA, que foi responsável por 30,76% das produções acerca do assunto analisado. E por fim foi possível dividir os resultados em duas categorias temáticas, a primeira disse respeito às causas encontradas pelos pesquisadores e a segunda referia-se às publicações que abordavam as consequências da homofobia no ambiente educacional. A partir do conjunto desta pesquisa foi possível confirmar a existência de causas e consequências para a homofobia no ambiente educacional, deixando clara a necessidade ímpar de mais pesquisa relacionada a esta temática. Além disso, este trabalho proporcionou uma complementação pedagógica em diversidade sexual.


Palavras-chave


Escola; Homofobia; LGBT; Preconceito.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, M., Castro, M. G., Silva, L. B. (2004). Juventude e sexualidade. Brasília: UNESCO Brasil, 428 p.

Abramovay, M., Cunha, A., Calaf, P. (2009). Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana – RITLA, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal – SEEDF, 496 p.

Almeida, E. L. (2016). Escola sem homofobia: A (re)produção da identidade sexual nos discursos escolares. 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Culturas e Identidades – Universidade Federal Rural de Pernambuco / Fundação Joaquim Nabuco. Departamento de Educação da UFRPE, Recife.

Barbosa, B. R. S. N., & Silva, L. V. (2016). Ações afirmativas para ingresso ao ensino superior como meio de efetivação do direito à educação para os/as transexuais e travestis. Disponível em: . Acesso em: 01/10/2016.

Barroso, L. R. C. (2011). Diferentes, mas iguais: o reconhecimento jurídico das uniões homoafetivas no Brasil. Revista Brasileira de Direito Constitucional – RBDC, n. 17, p. 105-138.

Bento, B. A. M. (2011). Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 548-559.

Blumenfeld, W. J. (2007). Homofobia internalizada: manifestações. Disponível em: . Acesso em: 16/08/2016.

Borrillo, D. (2001). Homofobia. Espanha: Bellaterra.

Borrillo. A homofobia. In: Lionço, T., Diniz, D. (Coords.). (2009). Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, p. 9-13.

Borrillo. (2015). Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 144 p.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 183 p. Disponível em: . Acesso em: 17/08/2016.

Brasil. (1994). Ministério da Educação e do Desporte. Secretaria de Projetos Educacionais Especiais. Diretrizes para uma política educacional em sexualidade. Brasília: MEC/SEPESPE, 44 p.

Brasil. (2008a). Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: Senado Federal. Senadora Fátima Cleide.

Brasil. (2008b). Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência da República. Texto-base da conferência nacional de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. 64 p. Disponível em: . Acesso em: 11/08/2016.

Câmara, C. (2002). Cidadania e orientação sexual: a trajetória do grupo Triângulo Rosa. Rio de Janeiro: Academia Avançada, 182 p.

Cardoso, F. L. (1996). O que é orientação sexual? São Paulo: Brasiliense, (Coleção Primeiros passos), 74 p.

Cardoso, H. M. (2016). O que é normal pra mim pode não ser normal pro outro: abordagem de corpo, gênero e sexualidades na licenciaturas do Instituto Federal de Sergipe, campus Aracaju. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão.

Carvalho, R. S., & Guizzo, B. S. (2016). Políticas curriculares de educação infantil: um olhar para as interfaces entre gênero, sexualidade e escola. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 191-201.

Catelli Junior, R., & Escoura, M. (2016). Sujeitos da diversidade: A agenda LGBT na educação de jovens e adultos. Olhares, Guarulhos, v. 4, n. 1, p. 226-245.

Curitiba. (2002). Prefeito (2001-2004: Taniguchi). Protocolo de atenção à saúde do adolescente. p. 42-43.

Dias, A. F., Carvalho, M. E. P., Oliveira, D. A. (2016). Notas sobre o processo de inclusão/exclusão de uma professora transexual. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 145-158.

Eugenio, B. G., & Boaretto, G. (2016). No interior da sala de aula: as relações de gênero nos anos iniciais do ensino fundamental. Interfaces Científicas: Educação, Aracaju, v. 4, n. 3, p. 139-150.

Franco, N. (2016). A educação física como território de demarcação dos gêneros possíveis: vivencias escolares de pessoas travestis, transexuais e transgêneros. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 47, p. 47-66.

Groff, A. R., Maheirie, K., Mendes, P. O. S. P. (2016). A educação sexual e a formação de professores/as um convite ao dissenso. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. São Paulo, v. 10, n. esp., p. 1431-1444.

Hardin, K. N. (2000). Auto-estima para homossexuais. Um guia para o amor próprio. São Paulo: Edições GLS, 245 p.

Herek, G. M. Stigma, prejudice, and violence aginst Lesbians and Gay men. In: Gonsiorek, J. C., Weinrich, J. D. (Eds). (1991). Homosexuality: research implications for public policy. Newbury Park, CA: Sage, p. 60-80.

Jesus, J. G. (2015). Homofobia: identificar e prevenir. Rio de Janeiro: Metanoia, 110 p.

Junqueira, R. D. O reconhecimento da diversidade sexual e a problematização da homofobia no contexto escolar. In: Ribeiro, P. R. C., Silva, M. R. S., Souza, N. G. S., Goellner, S. V., Souza, J. F. (Coords.). (2007). Corpo, gênero e sexualidade: discutindo práticas educativas. Rio Grande: Editora da FURG, p. 59-69.

Junqueira, R. D. Políticas de educação para a diversidade sexual: escola como lugar de direitos. In: Lionço, T.; Diniz, D. (Coords.). (2009a). Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, p. 161-193.

Junqueira, R. D. Homofobia nas escolas: um problema de todos. In. Junqueira, R. D. (Coord.). (2009b). Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, p. 24.

Lionço, T., & Diniz, D. (Coords.). (2009). Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, 196 p.

Louro, G. L. (2008). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 10a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 68.

Moreira, J. (2016). Janelas Fechadas: a questão LGBT no PNE 2014. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Oliveira, A. L. (2016). Discursos docentes sobre crianças cujos pais/mães vivem em condição de conjugalidade homoafetiva. 123 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Pinho, R., & Pulcino, R. (2016). Desfazendo os nós heteronormativos da escola: contribuições dos estudos culturais e dos movimentos LGBTTT. Disponível em: . Acesso em: 01/10/2016.

Prado, M. A. M., Rodrigues, C., Machado, F. V. (2006). Participação, política e homossexualidade: 8a Parada do Orgulho GLBTT de Belo Horizonte. Belo Horizonte. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.

Prado, V. M., & Ribeiro, A. I. M. (2016). Escola, homossexualidades e homofobia, rememorando experiências na educação física escolar. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 97-114.

Reis, T. (2015). Homofobia no ambiente educacional: o silêncio está gritando. Curitiba: Appris, 329 p.

Rios, J. A. V. P., Nuñez, J. M. L., Fernandez, O. F. R. L. (2016). Diversidade na educação básica: Políticas de sentido sobre a formação docente. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 101-112.

Rios, R. R. O conceito de homofobia na perspectiva dos direitos humanos e no contexto dos estudos sobre preconceito e discriminação. In: Pocahy, F. (Org.O.). (2007). Rompendo o silêncio: homofobia e heterossexismo na sociedade contemporânea. Porto Alegre: Nuances, p. 27-48.

Rosistolato, R. P. R. (2007). Orientação sexual com “jeitinho brasileiro”: uma análise antropológica da intervenção escolar na socialização afetivo-sexual dos adolescentes. Rio de Janeiro, 205 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas – Antropologia Cultural) – Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Rossi, A. J. (2016). As políticas de diversidade na educação: uma análise dos documentos finais das CONAEs, DCNs e PNE. 2016. 176 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Rubin, G., & Butler, J. (2003). Tráfico sexual: entrevista. Cadernos Pagu, 21, p. 157-209.

Sanches, P. C. Mudança de nome e da identidade de gênero. In: diversidade sexual e suas nomenclaturas. In: Dias, M. B. (Coord.). (2011). Diversidade sexual e direito homoafetivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 425-444.

Sayão, Y. Orientação Sexual na Escola: os territórios possíveis e necessários. In: Aquino, J. (Coord.). (1997). Sexualidade na escola. Alternativas teóricas e praticas. São Paulo: Summus, p. 97-105.

Silva, R. D., & Maia, A. C. B. (2016). Encontrando Bianca: a travestilidade no Kit Anti-Homofobia. Revista Linhas. Florianópolis, v. 17, n. 34, p. 58-83.

Silva Junior, J. A. Uma explosão de cores: sexo, sexualidade, gênero e diversidade. In: Vieira, T. R. (Coord.). (2012). Minorias sexuais: direitos e preconceitos. Brasília: Consulex, p. 11-1920.

Silva Junior, A. M. (2014). Diversidade sexual e inclusão social: uma tarefa a ser completada. Franca: Lemos e Cruz, 256 p.

Silva Junior, J. A. (2016). Direitos à meia luz: regulamentação do uso do nome social de estudantes travestis e transexuais nas instituições escolares. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 45, p. 173-189.

Smigay, K. E. (2002). Sexismo, homofobia e outras expressões correlatas de violência: desafios para a psicologia política. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 32-46.

Sussal, C. A. (1998). Kleinian Analysis of Homophobia. Smith College Studies in Social Work, v. 68, n. 2, p. 203-214.

Teixeira, A. B. M., & Alcântara F. (2010). Conversando na Escola sobre Elas e Eles: para além do politicamente correto. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 156 p.

Torres, M. A. (2013). A diversidade sexual na educação e os direitos de cidadania LGBT na Escola. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica; Ouro Preto, MG: UFOP, 72 p.

UNAIDS – Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Aids. (2007). Grupo de Cooperação Técnica Horizontal para América Latina e Caribe (GCTH) e Centro Internacional de Cooperação Técnica em HIV/Aids (CICT). Direitos humanos, saúde e HIV: Guia de ações estratégicas para prevenir e combater a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero. Brasília.

Valladeres, K. K. (2007). Orientação sexual na escola. 2a ed. Rio de Janeiro: Quartet, 128 p.

Vergara, S. C. (2014). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 94 p.

Vigano, S. M. M. (2016). Trajetórias de exclusão na construção social das identidades de jovens e adultos. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 9, n. 1, p. 62-72.

Yogyakarta, P. (2007). Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. 40 p. Disponível em: . Acesso em: 11/08/2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i10.381

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Rafael Porto Vieira, Sandra Regina Marcolino Gherardi, Mirlene Fátima Simões Wexell Severo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.