ABORDAGEM DOS LIVROS DIDÁTICOS DE BIOLOGIA SOBRE DROGAS: CONTRIBUIÇÕES PARA A PREVENÇÃO AO USO?

Diêgo Alberto Teodoro, Elisângela de Sousa Gregório, Guilherme Malafaia, Edson Olivari de Castro, André Luis da Silva Castro

Resumo


O uso e abuso de drogas causam prejuízos à sociedade e a abordagem educativa pode ser um fator de prevenção. Uma vez que o tema drogas é abordado em Biologia, no Ensino Médio, os livros didáticos são úteis na contribuição à prevenção ao uso de drogas. Assim, nosso objetivo foi avaliar as informações sobre drogas dos livros didáticos de Biologia. Foram avaliados 24 livros de Biologia do Plano Nacional do Livro Didático do Ensino Médio. A maioria dos livros aborda-o em citações isoladas e fragmentadas, com maior ênfase às drogas lícitas, e sem associação dos conteúdos com a prevenção ao uso e abuso. Conclui-se que os livros de Biologia apresentam informações sobre drogas pouco abrangentes e descontextualizadas em relação a questões como a saúde, cultura, mídia, indicando a necessidade de reformulação, visando propiciar a professores e estudantes informações de qualidade e efetivas na prevenção ao uso e abuso de drogas.


Palavras-chave


Drogas psicotrópicas. Uso e abuso. Educação para a saúde. Livros didáticos.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Batista, M. V. S., Cunha, M. M. S., & Cândido, A. L. (2010). Análise do tema virologia em livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista Ensaio, 12(1), 145-158. doi: 10.1590/1983-21172010120109.

Brasil (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Disponível em: . Acesso em: 26/03/2015.

Brasil (2011). Guia do livro didático: PNLD 2012: Biologia. Brasília, DF: MEC.

Carlini, E. A., Nappo, S. A., Galduróz, J. C. F., & Noto, A. R. (2001). Drogas psicotrópicas – o que são e como agem. Revista IMESC, (3), 9-35.

Carlini, E. A. et al (2010). Levantamento nacional sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes de ensino fundamental e médio das redes pública e privada de ensino nas 27 capitais brasileiras - 2010. São Paulo: Cebrid/Unifesp.

Carlini-Cotrim, B., & Rosemberg, F. (1991). Os livros didáticos e o ensino para a saúde: o caso das drogas psicotrópicas. Revista de Saúde Pública, 25(4), 299-305. doi: 10.1590/S0034-89101991000400009.

Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas – CEBRID (2003). Livreto informativo sobre Drogas Psicotrópicas. São Paulo: Unifesp. Disponível em: . Acesso em: 15/05/2015.

Delaveris, G. J., Hoff-Olsen, P., & Rogde, S. (2015). Nonnatural deaths among users of illicit drugs: pathological findings and illicit drug abuse stigmata. The American journal of forensic medicine and pathology, 36(1), 44-48. doi: 10.1097/PAF.0000000000000136.

França, V. H., Margonari, C., & Schall, V. T. (2011). Análise do conteúdo das Leishmanioses em livros didáticos de Ciências e Biologia indicados pelo programa nacional de livros didáticos (2008/2009). Ciências e Educação, 17(3), 625-644. doi: 10.1590/S1516-73132011000300007.

Frison, M. D. et al. (2009). Livros didáticos como instrumento de apoio para construção de proposta de ensino de Ciências Naturais. Anais do 7º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2009. Belo Horizonte: Abrapec/UFMG.

Junior, W. E. F. (2009). Analogias em livros didáticos de química: um estudo das obras aprovadas pelo Plano Nacional do Livro Didático Para o Ensino Médio 2007. Ciências e Cognição, 14(1), 121-143.

Martins, I., Gouvêa, G., & Piccinini, C. (2005). Aprendendo com imagens. Ciência e Cultura, 57(4), 38-40.

Megid-Neto, J., & Fracalanza, H. (2003). O livro didático de Ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, 9(2), 147-157. doi: 10.1590/S1516-73132003000200001.

Morley, K. I. et al. (2015). Polysubstance use, mental health and high-risk behaviours: Results from the 2012 Global Drug Survey. Drug and Alcohol Review, 34(4), 427-437. doi: doi: 10.1111/dar.12263. Epub 2015 Apr 13. Disponível em: . Acesso em: 22/05/2015.

Ricardson, L. A. et al. (2015) Socioeconomic marginalisation in the structural production of vulnerability to violence among people who use illicit drugs. Journal of Epidemiology Community Health, 69(7), 686-692. doi: 10.1136/jech-2014-205079. Epub 2015 Feb 17. Disponível em: . Acesso em: 02/04/2015.

Rodriguez, N. R., & Gómez, J. L. G. (2015). Alcohol consumption, illicit substances, and intimate partner violence in a sample of batterers in psychological treatment. Adicciones, 27(1), 27-36.

Sanchez, Z. M., Oliveira, L. G., & Nappo, S. A. (2005). Razões para o não-uso de drogas ilícitas entre jovens em situação de risco. Revista de Saúde Pública, 39(4), 599-605. doi: 10.1590/S0034-89102005000400013.

United Nations Office on Drugs and Crime – UNODC (2014). World Drug Report- 2014. New York: United Nations. Disponível em: . Acesso em 02/01/2015.

Xavier, M. C. F., Freire, A. S., & Moraes, M. O. (2006). A nova (moderna) Biologia e a genética nos livros didáticos de Biologia no Ensino Médio. Ciência e Educação, 12(3), 275-89. doi: 10.1590/S1516-73132006000300003.

Zancul, M. De S., & Gomes, P. H. M. (2011). A formação de licenciados em Ciências Biológicas para trabalhar temas de educação em saúde na escola. REMEPEC- Ensino, Saúde e Ambiente, 4(1), 49-61.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i9.441

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2017 Diêgo Alberto Teodoro, Elisângela de Sousa Gregório, Guilherme Malafaia, Edson Olivari de Castro, André Luis da Silva Castro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.