Sensibilidade de Isolados de Colletotrichum gloeosporioides a Fungicidas.

Authors

  • Lorena Natácia da Silva Lopes Intituto Federal Goiano câmpus Urutaí
  • Aline Suelen Silva Intituto Federal Goiano câmpus Urutaí
  • Caio César de Oliveira Pereira Intituto Federal Goiano câmpus Urutaí
  • Ivandilson Pessoa Pinto de Menezes Instituto Federal Goiano
  • Guilherme Malafaia Instituto Federal Goiano
  • Milton Luiz da Paz-Lima Instituto Federal Goiano campus Urutaí

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i1.46

Abstract

A pressão de seleção promovida por fungicidas na agricultura estimula mecanismos de variabilidade dos patógenos a desenvolver populações insensíveis a moléculas químicas. Objetivo deste trabalho foi caracterizar a sensibilidade de isolados de C. gloeosporioides a fungicidas in vitro. Oito isolados de C. gloeosporioides (COLL) pertencentes a Coleção Micológica do IFGoiano câmpus Urutaí foram testados in vitro e sua sensibilidade testada para os seguintes fungicidas: i) tiofanato metílico, ii) trifloxistrobina + tebuconazol, iii) piraclostrobina + epoxiconazol, vi) azoxistrobina + ciproconazol, nas concentrações de 0.1, 1, 10, 100 ppm (além do controle). O experimento inteiramente casualizado, em fatorial representado por : fator isolado [8], fator dosagem [5] e fator tipo de fungicidas [4], com duas repetições. O isolado de Colletotrichum oriundo de soja foi o que teve estatisticamente o maior diâmetro de colônia em relação aos demais isolados analisados. A mistura de fungicida trifloxistrobina + tebuconazol foi a que estatisticamente apresentou maior porcentagem de inibição, diferindo estatisticamente dos demais fungicidas analisados. De acordo com o critério adotado a maioria dos isolados adequaram-se na classe dos isolados intermediários, sendo detectado dentre os oito isolados nenhuma população ou isolado com comportamento de insensibilidade ou resistência aos fungicidas utilizados para controle, já que a 100 ppm não houve crescimento micelial de nenhum isolado. As maiores amplitudes de EC50 foram observadas para os fungicidas Trifloxistrobina+tebuconazol e Piraclostrobina+epoxiconazol, demonstrando que entre os isolados testados para esses dois fungicidas existe maior diversidade da sensibilidade a essas moléculas. Através desse trabalho podemos verificar a variabilidade de sensibilidade que isolados Colletotrichum gloesporioides podem apresentar perante as diferentes moléculas utilizadas comercialmente para seu controle.

Author Biography

Milton Luiz da Paz-Lima, Instituto Federal Goiano campus Urutaí

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (1999) e mestrado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília (2002), concluiu o doutorado em 2006 no programa de pós-graduação em Fitopatologia também pela Universidade de Brasília, no primeiro semestre de 2009 finalizou o pós-doutorado na área de fitopatologia Molecular e atualmente é professor dedicação exclusiva do Instituto Federal Goiano. Possue experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fitopatologia, atuando principalmente nos seguintes temas: micologia, ocorrência, identificação, etiologia, diagnose, epidemiologia, resistência de plantas a doenças, controle de doenças e caracterização de fitopatógenos.

References

Agrofit. Disponível em: http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons Acesso em 10 de Julho de 2013.

Azevedo LAS. Fungicidas protetores: fundamentos para o uso racional. Campinas: Emopi Gráfica Editora Ltda, 2003. 346 p.

Azevedo LAS. Fungicidas sistêmicos: teoria e prática. Fundamentos para o uso racional. Campinas: Emopi Gráfica Editora Ltda, 2007. 290 p.

Bergamim Filho A, Amorim L. Epidemiologia comparativa entre os patossistemas temperado e tropical: consequências para resistência a fungicidas. Fitopatologia Brasileira, 26 (2): 119 – 127, 2001.

Bergamin Filho A, Kimati H, Amorim L. Manual de Fitopatologia: princípios e conceitos. 3a Ed, Vol. I, Editora Agronômica Ceres Ltda, São Paulo SP. 1995

Brent KJ. Resistência a fungicidas em patógenos de plantas cultivadas: como manejá-la? Brussels-Belgium: GPCF (FRAC Monograph No.1), 1995, 51p.

Davidse LC. Benzimidazole compounds: selectivity and resistance. In: DEKKER, J.; GEORGOPOULOS, S. G. Fungicide resistance in crop protection. Wageningen: Center for Agricultural Publishing and Documentation, 1982. p. 60-70.

Davidse LC, Flach W. Differential binding of methyl benzimidazol –2 - yl carbamate to fungal tubulin as a mechanism of resistance to this antimitotic agent in mutant strains of Aspergillus nidulans. The Journal of Cell Biology, 72: 93-174, 1977.

Damicone J. Fungicide resistance management. Oklahoma: Oklahoma State University, 2004. Disponível em: <http://pods.dasnr.okstate.edu/docushare/dsweb/Get/Document- 2317/F-7663web.pdf>. Acesso em: 09 jan. 2008.

Domingues RJ, Töfoli JG, Oliveira SHF, Garcia Júnior O. Controle químico da flor preta (Colletotrichum acutatum Simmons) do morangueiro em condições de campo. Arquivo Instituto Biológico, 68 (2): 37-42, 2001.

Forcelini, C. A. Resistência de fungos a fungicidas. Revisão Anual de Patologia de Plantas, 2: 335-355, 1994.

Fortes JF. Glomerella cingulata e Penicillium sp.: surgimento de cepas resistentes ao benomyl. Fitopatologia Brasileira, 10: 280, 1985.

Frac – Comitê de Ação a resistência a fungicida. Disponível em: http://www.frac-brasil.org.br/frac/default.asp. Acessado em março 2013.

Galli F. Manual de Fitopatologia Princípios e Conceitos. vol.1, p. 353 e 354: 1978.

Ghini R, Kimati H. Resistência de fungos a fungicidas. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2000. 78 p.

Goulart ACP. Fungicidas inibidores do esterol. II. Imidazoles. Revisão Anual de Patologia de Plantas, 3: 365-390, 1995.

Hall R (Ed). Compendium of bean disease, APS Press, 1994, 73 p.

Index fungorum disponível em:< http://www.indexfungorum.org/Names/NamesRecord.asp?RecordID=170999>, acessado em julho de 2013.

Kimati H, Amorim L, Rezende JAM, Bergamin AF. Manual de Fitopatologia - Doenças das plantas cultivadas. 4° ed. São Paulo: Agronômicas Ceres, 2005. pp 542.

Kimati H, Bergamin Filho A. Princípios gerais de controle. In: Bergamin Filho A, Kimati H, Amorim L (Ed.). Manual de fitopatologia - Princípios e conceitos. 3ed. São Paulo: Agronômica Ceres, 1995. p. 692-709.

Kirk PM, Cannon PF, Minter DW, Stalpers JA. Dictionary of Fungi Ainsworth & Bisby's. CABI Euroe - UK, 2008.

Maringoni ACE, Barros M. Ocorrência de isolados de Colletotrichum lindemuthianum resistentes a fungicidas benzimidazóis. Summa Phytopathologica, 28 (2): 197-200, 2002.

Neto DD, Fancelli AL. Principais doenças fúngicas da parte aérea. In: Neto DD, Nancelli, A. L. Produção de feijão. Livraria e editora agropecuária, 2000, p. 269-275.

Parra G, Ristaino JB. Resistance to mefenoxam ans metalaxyl among field isolates of Phytophthora capsici causing Phytophthora blight of bell pepper. Plant Disease, 85 (10), p. 1069-1075, 2001.

Rava CA. Eficiência de fungicidas no controle da antracnose e da mancha angular do feijoeiro comum. Summa Phytopathologica, 28 (1): 65-69, 2002.

Rava CA, Sartorato A. Antracnose. In: Sartorato A, Rava CA. Principais doenças do feijoeiro comum e seu controle. Embrapa: Brasília, 1994, p. 17-40.

Reis ME, Reis AC, Forcelini AC. Manual de fungicidas: guia para o controle químico de doenças de plantas. 5. ed., rev. e ampl. Universidade de Passo Fundo: Passo Fundo, 2007.

Roberts PD, Pernezny KL, Kucharek TA. University of Florida IFAS Extension. Anthracnose caused by Colletotrichum sp. on pepper. Disponível em: <http://edis.ifas.ufl.edu/pp104> Acessado em fevereiro de 2012.

Rodrigues MBC, Andreote FD, Spòsito, MB, Vildoso CIA, Araujo WL, Kleiner AAP. Resistência a benzimidazóis por Guignardia citricarpa. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 42 (3), 2007.

Serra IMRS, Coelho RSB, Menezes MM. Caracterização fisiológica, patogênica e análise isoenzimática de isolados monospóricos e multiespóricos de Colletotrichum gloeosporioides. Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Departamento de Agronomia / Fitossanidade. Summa Phytopathologica: Botucatu, 2008.

Silva ACF, Rosa CRA, Melo IS. Sensibilidade de isolados de Trichoderma spp. a benomil e iprodione. Revista Científica do Centro de Ciências Rurais, 3 (29): 395-399, 1999.

Silva SMMC, Fay FE. Agrotóxicos e Ambiente. EMBRAPA: Brasília, Informação Tecnológica, 2004.

Shattock RC, Shaw DS, Fyfe AM, Dunn JR, Loney KH e Shatock JA. Phenotypes of Phytophthora infestans collected in England and Wales from 1985 to 1998, matting type, response to metalaxyl and isoenzyme analysis. Plant Pathology, 39:242-248, 1990.

Sutton BC. The Coelomycetes. Commonwealth Mycological Institute, Kew Surrey, England (1980).

Tavares GM, Souza PE. Efeito de fungicidas no controle in vitro de Colletotrichum gloeosporioides, agente etiológico da antracnose do mamoeiro (Carica papaya L.). Ciências e Agrotecnologia, 29 (1): 52-59, 2005.

Tozze Júnior HJ, Mello MBA, Massola Júnior NS. Caracterização morfológica e fisiológica de isolados de Colletotrichum sp. causadores de antracnose em solanáceas. Summa Phytopathologica, 30 (1):73-73, 2004.

Venancio WS, Rodrigues MAT, Souza NL, Begliomini E, Peres NA. Efeitos fisiológicos de fungicidas sobre plantas – Parte II. Revisão Anual de Patologia de Plantas, 13: 49-73, 2005.

Yan K, Dickman MB. Isolation of a b-Tubulin gene from Fusarium moniliforme that confers cold-sensitive benomyl resistance. Applied and Environmental Microbiology, 22 (8): 3053-3056, 1996.

Zambolim L, Jesus Junior CW. O essencial dos fungicidas empregados no controle de doenças – parte básica. In. Zambolim L, Picanço CM, Silva Ferreira AA; Ferreira AF. Produtos fitossanitários (Fungicidas, Inseticidas, Acaricidas e Herbicidas), Universidade Federal de Lavras, Viçosa, MG, 2008.

Zambolim L; Venâncio SV, Oliveira SHF. Manejo da Resistência de Fungos a Fungicidas. Visconde do Rio Branco: Suprema Gráfica e Editora, 2007, 168p.

Downloads

Published

2018-03-18

How to Cite

Lopes, L. N. da S., Silva, A. S., Pereira, C. C. de O., Menezes, I. P. P. de, Malafaia, G., & Paz-Lima, M. L. da. (2018). Sensibilidade de Isolados de Colletotrichum gloeosporioides a Fungicidas. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(1), 106-114. https://doi.org/10.33837/msj.v1i1.46

Issue

Section

Agricultural Sciences

Most read articles by the same author(s)

> >>