A verdade como problema filosófico em Descartes

Authors

  • Fábio Julio Fernandes Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i1.51

Abstract

O método cartesiano, que põe em xeque não apenas as crenças do senso comum, mas até mesmo os fundamentos mais sólidos da ciência e da metafísica, parece fortemente exprimir do filósofo uma postura cética. O que o faz, então, a despeito da ruína de todos os conceitos de verdade investigados radicalmente pelo filósofo, ainda assim decidir filosofar buscando o alcance de ao menos um mínimo conhecimento certo e indubitável? Se Descartes, no decurso de seu exigente exercício filosófico de meditar, põe-se de forma tão radical diante de todo conhecimento filosófico da tradição, reconhecendo a necessidade e urgência de duvidar de todas as coisas na busca pela verdade, por que ele nunca põe a verdade em dúvida? Como compreender esta postura paradoxal do filósofo: a de nunca duvidar da verdade? O objetivo de nosso trabalho é mostrar como o problema da verdade emerge como problema filosófico na filosofia cartesiana, explicitando por quais expedientes Descartes exerce o enfrentamento desse problema e alcança o conhecimento da noção de verdade.

Author Biography

Fábio Julio Fernandes, Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí

Mestrando em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Foi bolsista da CAPES pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência por três anos (PIBID/CAPES/UFU - Subprojeto Filosofia). Atualmente é bolsista da CAPES pelo programa de pós graduação (mestrado), atuando principalmente em Metafísica e Filosofia Moderna. Membro da Revista Exordium (Revista de Graduação em Filosofia). Editor da área de Ciências Humanas da Multi-Science Journal

References

DESCARTES, René."Carta-Prefácio" aos "Princípios da Filosofia". Educação e Filosofia. Tradução de Alexandre Guimarães Tadeu de Soares. Uberlândia: EDUFU, 2005. v.38.

______. Carta-Prefácio. In: O Filósofo e o Autor. Campinas: Editoda da Unicamp, 2008.

______. Discours de la méthode. Texte et commentaire de Étienne Gilson. Paris: Vrin, 1967.

______. Discurso do Método. Introdução, análise e notas de Étienne Gilson. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Discurso do Método e As Paixões da Alma. Tradução de Newton Macedo. Lisboa: Ed. Sá da Costa, 1984.

______. La recherche de la vérité par la lumière naturelle de René Descartes. Sous la direction de Ettore Lojacono, textes établis par Erik Jan Bos, lemmatisation et concordances du texte français par Franco A. Meschini, index et concordances du texte latin et néérlandais par Francesco Saita. Filosofia e scienza nel cinquecento e nel seicento. Milano: Franco Angeli, 2002.

______. La recherche de la vérité par la lumière naturelle. Traduction et notes par Emmanuel Faye, précédées d´un essai introductif. Librairie Générale Française, 2010.

______. Meditações sobre Filosofia Primeira. Tradução de Fausto Castilho. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

______. Oeuvres de Descartes. Publiées par Charles Adam et Paul Tannery. Paris: Vrin, 1996. 11 vols.

______. Oeuvres philosophiques. Édition de F. Alquié. Paris: Garnier, 1997.

______. Oeuvres et lettres. Textes présentés par André Bridoux. Paris: Gallimard, 1953.

______. Obra Escolhida. Tradução de J.Guinsburg e Bento Prado Júnior. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

_______. Objeções e respostas. Coleção Os Pensadores. 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

______. Princípios da Filosofia. Tradução de Guido Antônio de Almeida, Raul Landim Filho, Ethel M. Rocha, Marcos Gleiser e Ulysses Pinheiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

Comentadores de Descartes e outras obras

ARISTOTE. Éthique a Nicomaque. Nouvelle traduction avec introduction, notes et index par J. Tricot. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1997.

ARISTÓTELES. Metafísica. Edição trilíngüe de V. G. Yebra. Madri: Gredos, 1990.

______. Metafísica. São Paulo: Loyola, 2002.

KOYRÉ, A. Considerações sobre Descartes. Lisboa: Editorial Presença, 1992.

LANDIM FILHO, R. Evidência e verdade no sistema cartesiano. São Paulo: Loyola, 1992.

MONTAIGNE, M. Os Ensaios. Tradução de Rosemary Costhek Abílio. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 3 vols.

PLATÃO. Fédon. 2. ed. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

______. Teeteto. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

______. Ménon. Tradução, introdução e notas de Monique Canto-Sperber. 2. ed. Paris: Flammarion, 1993.

SCHOPENHAUER. A. O mundo como Vontade e como Representação. São Paulo: Unesp, 2005.

SOARES, A. G. T.de. O Filósofo e o Autor. Campinas: Editoda da Unicamp, 2008.

______. O Sentido da Cogitatio em “A Busca da Verdade” de Descartes. Revista Educação e Filosofia. Uberlândia, v. 25 - Número Especial, 2011.

Published

2018-03-18

How to Cite

Fernandes, F. J. (2018). A verdade como problema filosófico em Descartes. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(1), 02-21. https://doi.org/10.33837/msj.v1i1.51

Issue

Section

Human and Social Sciences

Most read articles by the same author(s)