ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS NO ENSINO DE QUÍMICA: em foco o uso de paródias

Patrícia Hendyel Marques Damascena, Christina Vargas Miranda Carvalho, Luciana Aparecida Siqueira Silva

Resumo


O ensino de Química, por muitas vezes, é considerado como difícil devido às atividades associadas à memorização de fórmulas, estruturas e conhecimentos que podem desmotivar o aluno no estudo e aprendizagem. Desse modo, os recursos didáticos podem ser utilizados como motivadores do interesse dos alunos pela aula, podendo assim, auxiliar no processo de ensino e de aprendizagem. Nessa perspectiva, a música, sob a forma de paródia, é considerada uma ferramenta relevante em atividades educacionais, tornando-se aliada na construção de saberes. O presente trabalho refere-se a um relato de experiência desenvolvido em 2015 com 28 alunos e 12 professores de Química. A metodologia envolveu a elaboração de paródias por alunos da 3ª série do Ensino Médio, a partir do conteúdo considerado como mais difícil de ser ensinado por professores de três cidades interioranas de Goiás. Observamos que houve receptividade por parte da maioria dos envolvidos na proposta. Desse modo, ressaltamos que ao proporcionar uma aula diferenciada por meio da música parodiada, podemos abranger a discussão de situações cotidianas e envolver diferentes conhecimentos, propiciando assim o estímulo da contextualização e da interdisciplinaridade, contribuindo de maneira eficiente com o aprendizado dos alunos.


Palavras-chave


Ensino de Química, Música, Paródia, Recurso didático.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, A. K. A. A (inter)relação da Matemática e a Química: uma visão pontual de alunos do 1º ano do ensino médio. 35f. 2016. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Federal da Integração LatinoAmericana. Foz do Iguaçu, PR, 2016.

BARREIRO, C. M. Las canciones como refuerzo de lãs cuatro destrezas. In: Bello, P. A. Feria, et al.(org), Didáctica de lãs segundas lengua: estrategias y recursos básicos, Madrid, Santillena, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996.

_______. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEMTEC, 2000.

_______. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM). Brasília: MEC/SEB, 2002.

________. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/ SEB/ DICEI, 2013. 562p.

BULGRAEN, V. C. O papel do professor e sua mediação nos processos de elaboração de conhecimento. Revista Conteúdo, v. 1, n. 4, p. 30-38, 2010.

CARDOSO, S. P.; COLINVAUX, D. Explorando a Motivação para Estudar Química. Revista Química Nova, v. 23, n. 2, p. 401-404, 2000.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. A utilização de recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem. In: I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia – SINECT. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, UTFPR. Ponta Grossa, PR, 2009. p. 689-692.

CAVALCANTI, V. S.; LINS, A. F. Musicalizando o currículo: uma proposta de ensino e aprendizagem da matemática. Espaço do Currículo, v. 3, n. 1, p. 363-379, 2010.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 3ed. Ijuí: Unijuí, 2003.

COUTINHO, L. R. Integrando Música e Química: uma proposta de ensino e aprendizagem. 162f. 2014. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR. Curitiba, PR, 2014.

CUNHA, M. B. Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula. Química Nova na Escola, v. 34, n. 2, p. 92-98, 2012.

CUNHA, M. I. O Bom Professor e a sua Prática. 19 Ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.

DOS ANJOS, J. V. O computador como instrumento didático-pedagógico. Revista Mundo Jovem, n. 384, p. 15, 2008.

FAVILA, M. A. C.; ADAIME, M. A contextualização no Ensino de Química sob a perspectiva CTS: uma análise das publicações. Vidya, v. 33, n. 2, p.101-110, 2013.

FERREIRA, L. H.; CORREA, K. C. S.; DUTRA, J. L. Análise das estratégias para o ensino da Tabela Periódica. Química Nova na Escola, v. 38, n. 4, p. 349-359, 2016.

FERREIRA, M. Como usar a música na sala de aula. 8 ed. São Paulo: Contexto, 2013.

FRANCISCO JUNIOR, W. E.; LAUTHARTTE, L. C. Música em Aulas de Química: Uma Proposta para a Avaliação e a Problematização de Conceitos. Ciência em Tela, v. 5, n. 1, p. 1-9, 2012.

GOIÁS. Secretaria de Estado da Educação. Currículo Referência da Rede Estadual de Educação de Goiás. Goiânia: SEE, 2012. 380 p.

KISHIMOTO, T. M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Editora Cengage Learning, 2011. 62p.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 18 ed. São Paulo: Loyola, 2002. 149 p.

LIMA, J. F. L.; PINA, M. S. L.; BARBOSA, R. M. N.; JÓFILI, Z. M. S. A contextualização no ensino de Cinética Química. Química Nova na Escola, n. 11, p.26-29, 2000.

LUPINETTI, J. M.; PEREIRA, A. S. A composição de paródias no ensino de Química e suas contribuições no processo de aprendizagem. REDEQUIM, v. 3, n. 2, p. 49-69 , 2017.

MALDANER, O. A. Repensando a Química: A formação de equipe de professores/pesquisadores como forma eficaz de mudança da sala de aula de Química. Química Nova na Escola, n. 1, p. 15-19, 1995.

MERÇON, F.; SOUZA, M. P.; VALADARES, C. M. S.; PEREIRA, J. A. S.; SILVA, J. A.; CONCEIÇÃO, R. E. Estratégias Didáticas no Ensino de Química. e-Mosaicos, v. 1, n. 1, p. 79-93, 2012.

MESSEDER NETO, H. S.; PINHEIRO, B. C. S.; ROQUE, N. F. Improvisações teatrais no ensino de Química: interface entre teatro e ciência na sala de aula. Química Nova na Escola, v. 35, n. 2, p. 100-106, 2013.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H.; ROMANELLI, L. I. A proposta curricular de química no estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, n. 2, 2000.

NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa – Características, Usos e Possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 1, n. 3, p. 1-5, 1996.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de biologia. Infor - Inovação e Formação, v. 2, n. 1, p.355-381, 2016.

PICOLLI, F. F.; SANTOS, S. S.; SOARES, A. C. O ensino de Química e a utilização de música. In: 33° Encontro de Debates sobre o Ensino de Química - EDEQ. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ, Ijuí- RS, 2013.

SÁ, H. C. A.; SILVA, R. R. Contextualização e interdisciplinaridade: concepções de professores no ensino de gases. In: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química – ENEQ. Universidade Federal do Paraná, UFPR. Curitiba, PR, 2008.

SANTANA, E. M. A influência de atividades lúdicas na aprendizagem de conceitos químicos. Instituto de Física, Programa de Pós-Graduação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.

SANTOS, A. O.; SILVA, R. P.; ANDRADE, D.; LIMA, J. P. M. Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do PIBID/UFS/QUÍMICA. Scientia Plena, v. 9, n. 7, 2013.

SILVA, P. R. A.; SANTOS, L. M.; MEDEIROS, R. B.; FERREIRA, J. M. Interdisciplinaridade e contextualização no ensino de Química através da abordagem temática alimentos transgênicos. In: Congresso Internacional das Licenciaturas – COINTER/PDVL. Natal, RN, 2014.

SILVEIRA, M. P.; KIOURANIS, N. M. M. A Música e o Ensino de Química. Química Nova na Escola, n. 28, p. 28-31, 2008.

SOARES, M. H. F. B.; OKUMURA, F.; CAVALHEIRO, E. T. G. Proposta de um jogo didático para o ensino do conceito de equilíbrio químico. Química Nova na Escola, n. 18, p. 13-17, 2003.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. In: I Encontro de Pesquisa em Educação, IV Jornada de Prática de Ensino, XIII Semana de Pedagogia da UEM. Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, 2007.

TEIXEIRA, K. S. N.; SILVA, N. R.; SILVA, A. S.; NASCIMENTO, L. F.; PINHEIRO, E. E. A. O uso de paródias como metodologia diferenciada no Ensino de Química. In: 11° Simpósio Brasileiro de Educação Química (SIMPEQUI). Teresina - PI, 2013.

TORRES, A. L. Integrando Música e Química: uma proposta pedagógica alternativa de aprendizagem significativa. 96f. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências da Natureza), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Natureza, Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, 2017.

WARTHA, E. J.; FALJONI-ALÁRIO, A. A contextualização no Ensino de Química através do Livro Didático. Química Nova na Escola, n. 22, p. 42-47, 2005.

WARTHA, E. J.; SILVA, E. L.; BEJARANO, N. R. R. Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Química Nova na Escola, v. 35, n. 2, p. 84-91, 2013.

WERMANN, N. S.; MAGER, B. R. G.; FERRARO, C. S.; SANTOS, F. G.; BERNARD, F. L.; GOTARDI, J.; ANTONIAZZI, L. Q. Música – Paródia: uma Ferramenta de Sucesso no Ensino de Química. In: XII Salão de Iniciação Científica. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS. Porto Alegre, RS, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i13.595

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo