Qualidade da água de irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis-GO

Authors

  • Sandriane Araújo Borges Universidade Estadual de Goiás
  • Ananda Helena Nunes Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Sandra Máscimo da Costa Silva Universidade Estadual de Goiás
  • Jonas Alves Vieira Universidade Estadual de Goiás
  • Abadia Dos Reis Nascimento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

DOI:

https://doi.org/10.33837/msj.v1i2.63

Abstract

O objetivo deste trabalho foi analisar as variáveis físico-químicas da qualidade da água para a irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis – GO. Foram georreferenciados cinco pontos para coleta de água, feitas nos meses de janeiro, março e maio de 2012. As análises químicas foram conduzidas na Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas – UnUCET da Universidade Estadual de Goiás, Anápolis – GO, sendo avaliadas sob os seguintes aspectos: oxigênio dissolvido, pH, ferro, turbidez, cálcio, magnésio, condutividade elétrica e sódio. Concluiu-se que a qualidade da água dos pontos avaliados foram classificadas como água de Classe 2. O nível de oxigênio apresentou diferenças entre a época chuvosa e a seca. O pH sofreu uma pequena variação, mas os valores encontrados permaneceram dentro dos limites estabelecidos para fins de irrigação (6,33 a 6,82). Os teores de ferro (0,08 a 0,10 mg L-1) atendem aos padrões permitidos, o risco de entupimento dos emissores pela irrigação nas propriedades avaliadas é reduzido. A turbidez da água foi alta no começo das chuvas (193 NTU), e diminuiu com a estabilidade do período chuvoso (7,35 NTU).  A avaliação de condutividade elétrica (0,07 a 0,08 dS. m-1), cálcio (13,64 a 18,28 mg L-1) e magnésio (2,56 a 8,19 mg L-1) demonstraram que alguns valores ficaram acima do permitido, mas não prejudicou a produção de tomate de mesa. Valores de sódio estão dentro dos limites, não ocorrendo problemas de salinidade no solo. Os resultados demonstram que é viável à irrigação de tomate de mesa utilizando as águas avaliadas.

References

AGROLAB. Instrução Técnica. Como coletar amostras de efluentes e águas não Potáveis (rios, lagos, mar, poços, etc.). Disponível em <http://www.laboratorioagrolab.com.br/downloads/TOP-IT-003%20-%20COMO%20COLETAR%20AMOSTRAS%20DE%20EFLUENTES.pdf>. Acessoem 20 jan. 2012.

ALLAN, D.J. Streams ecology: structure and function of runnig waters.Dordrecht: Springer. p. 388, 1995. Disponível em <http://www.agr.feis.unesp.br/pdf/dissertacao_corrego_coqueiro_renato_franco.pdf> Acesso em 20 mai. 2012.

APHA; A.W.W.A.; W.P.C.F. Standard methods for examination of water and wastewater. 19. Ed. Washington D.C. USA, American Public Health Association, 1995.

AYRES, R. S.; WESTCOT, D. A. A qualidade da água na agricultura. (Estudos FAO: Irrigação e Drenagem, 29 Revisado) 1991, p. 218.

BLANCO, F. F. Tolerância do tomateiro a salinidade sob fertirrigação e calibração de medidores de íons específicos para determinação de nutrientes na solução e na planta. Piracicaba: ESALQ, p.134, 2004.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução no 357 de 17 de março de 2005. Diário Oficial da União, 18 mar. 2005. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2012.

BURT, C.; O’CONNOR, K.; RUEHR.Fertigation. San Luis Obispo: California Polytechnic State University. 296p, 1995. Disponível em: < http://www.agriambi.com.br/revista/v2n1/017.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2012.

COSTA, C.P.M.; Eloi, W.M.; Carvalho, C.M.; Júnior, M.V.; Silva, M.A.N. Caracterização qualitativa da água de irrigação na cultura da videira no município de Brejo Santa, Ceará. Revista de Biologia e Ciências da Terra. ISSN 1519-5228, v. 5, n.2, 2005.

DE DATTA, S.K. Principles and practices of rice production. New York: J. Wiley. 618p, 1981.

DONADIO, N. M. M. Qualidade da água de nascentes com diferentes usos do solo na bacia hidrográfica do córrego rico. São Paulo, 2008. Disponível em <http://www.meteorology.com.br/material/academico/arquivos/trabalho_uso_solo_b.pdf>. Acesso em 22 mai. 2012.

DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Efeito da água no rendimento das culturas. Estudos da FAO: Irrigação e Drenagem, 33. Campina Grande: UFPB, p. 306, 1994.

ESTEVES, F.A. Fundamentos de Limnologia. Interciência, 2 ed. Rio de Janeiro, 602p. 1998.

FAO.Development and management of water resources, Jamaica.Rio Minho. Annex III - WaterQuality. FAO Report No. FAO, Rome. 1974.

FAOSTAT.Production de produitsalimentairesetagricoles.Top production, 2010.Disponível em: <http://faostat.fao.org/site/339/default.aspx>. Acessado em: 14 mar 2012

FAOSTAT-FAO. StatisticsDivision. 2011. Disponível em <http://faostat.fao.org/site/567/default.aspx#ancor> . Acesso em: 25 mar. 2012

FRANCO, R. A. M. Qualidade da água para irrigação na Microbacia do córrego do coqueiro no Noroeste paulista. Dissertação: Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, 2008.

HERNANDEZ, F.B.T.; SILVA, C.R.; SASSAKi, N.; BRAGA, R.S. Qualidade de água em um sistema irrigado no noroeste paulista. Resumo: Congresso Brasileiro deEngenharia Agrícola (CONBEA), Foz de Iguaçu, Brasil, 2001.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Levantamento sistemático da produção agrícola de 2011. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/lspa_201010.pdf>Acesso em: 11 mar. 2012 .

LIBÂNIO, M. Fundamentos de qualidade e tratamento de água. Campinas: Editora Átomo. p 444, 2005.

LIMA, J. E. F. W.; FERREIRA, R. S. A.; CHRISTOFIDIS, D. O uso da irrigação no Brasil. São Paulo: O Estado das águas no Brasil. p. 73-82, 1999.

MAAS, E. V. Crop salt tolerance. In: Tanji, K. K. (ed.) Agricultural salinity assessment and management manual. New York: ASCE. p. 262-304, 1990.

MORAES, A. J. Manual para a avaliação da qualidade da água. São Carlos: RiMa, Brasil: 44p, 2001.

MOURA; R.S.; HERNANDEZ; F.B.T.; VANZELA; L.S. Monitoramento da qualidade química da água para fins de irrigação no Córrego Três Barras, Marinópolis – SP [Resumo]. Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola(CONBEA), Bonito, Brasil. 2007.

NAKAYAMA, F. S.; BUCKS, D. A. Trickle irrigation for crop production.St. Joseph: ASAE. 383p, 1986. Disponível em <http://www.agr.feis.unesp.br/pdf/dissertacao_corrego_coqueiro_renato_franco.pdf> . Acesso em 20 mai. 2012.

PIVELI, R. P. Curso:Qualidade das Águas e poluição: Aspectos físico-químicos, 2000. Disponível em < http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAPBcAD/fasciculo-10-oxigenio-dissolvido-materia-organica#>. Acesso em 21 mai. 2012.

PIZARRO, F. Drenaje agrícola y recuperación de suelos salinos. Madrid: Editorial Agrícola, Española, 1985. 521p.

RICHARDS, R.A. Improving crop production on salt affected soils: by breeding or management?Expl. Agric. Vol. 31, p.395 - 408. 1995. Disponível em: < http://www.agriambi.com.br/revista/v2n1/017.pdf>. Acessoem: 12 abr. 2012.

SHALHEVET, J.; YARON, B. Effect of soil and water salinity on tomato growth.PlantandSoil The Hague, v. 39, n.2, p.285-292. 1973. In: OLIVEIRA, B.C. Características produtivas do tomateiro submetido a diferentes níveis de sais, na água de irrigação. Revista Brasileira deEngenharia Agrícola e Ambiental.v.11, n.1, p.11–16, 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-43662007000100002&script=sci_arttext> Acesso em 10 abr. 2012.

SOUZA, J. A. R.; MOREIRA, D. A.; FERREIRA, P. A.; MATOS, A. T. Variação do nitrogênio e fósforo em solo fertirrigado com efluente do tratamento primário da água residuária da suinocultura. RevistaAmbiente e Água, Taubaté, v.4, n.3, p.111-122, 2009.

TOLEDO, L. G.; NICOLELLA, G. Índice de qualidade de água em microbaciasob uso agrícola e urbano. ScientiaAgricola, v.59, n.1, p.181-186, 2002. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/sa/v59n1/8092.pdf> Acesso em 19 maio 2012.

VON SPERLING, M. Estudo e modelagem da qualidade da água de rios.UFMG, Belo Horizonte,588p. 2007. Disponível em. Acesso em 20 mai. 2012.

Published

2018-03-18

How to Cite

Borges, S. A., Cunha, A. H. N., Silva, S. M. da C., Vieira, J. A., & Nascimento, A. D. R. (2018). Qualidade da água de irrigação na cultura do tomate de mesa no município de Goianápolis-GO. Multi-Science Journal (ISSN 2359-6902), 1(2), 74-82. https://doi.org/10.33837/msj.v1i2.63

Issue

Section

Environmental Sciences

Most read articles by the same author(s)