POTENCIAL USO DOS FRUTOS DA ACEROLEIRA (Malpighiae marginata) PARA PRODUÇÃO DE LICORES

Jhenyfer Caroliny Almeida, Priscilla Prates de Almeida, Sandra Regina Marcolino Gherardi

Resumo


O Brasil se destaca como um dos maiores produtores de bebidas alcoólicas do mundo e, dentro deste setor, o consumo de licores tem crescido. Quando consumidos de forma consciente, além do auxílio à saúde e do valor histórico, os licores de frutas apresentam boa aceitação, agregam valor ao fruto original e são facilmente comercializados devido à extensa vida de prateleira e armazenagem fácil. A acerola é uma fruta com propriedades nutracêuticas e boas condições de cultivo no país, além de grande potencial para produção de licores, o que permite melhor aproveitamento das frutas e o enriquecimento nutricional e sensorial de bebidas alcoólicas compostas. Nesse sentido, o objetivo desse trabalho foi elaborar uma revisão bibliográfica sobre o fruto da aceroleira e seu potencial para a produção de licores, devido à escassez de trabalhos científicos relacionados à produção e avaliação das propriedades do fruto para esse fim.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, E. L.; Lima, L. C.; Borges, V. T. N.; Martins, P. N.; Batalini, C. (2012). Elaboração de licor de casca de tangerina (Citrus reticulata Blanco), variedade ponkan, com diferentes concentrações de casca e tempos de processamento. Alimento e Nutrição, Araraquara, v. 23, n. 2, p. 259-265.

Alves, J. A.; Vilas Boas, E. V. B.; Vilas Boas, B. M.; Souza, E. C. (2010). Qualidade de produto minimamente processado à base de abóbora, cenoura, chuchu e mandioquinha-salsa. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 30, n. 3, p. 625-634.

Belwal, T. et al. (2018). Phytopharmacology of Acerola (Malpighia spp.) and its potential as functional food. Trends in Food Science & Technology, 36p.

Bizzo, H. R; Hovell, A. M. C; Rezende, C. M. (2009). Óleos essenciais no Brasil: aspectos gerais, desenvolvimento e perspectivas. São Paulo, SP: Química Nova, v. 32, n. 3, p. 588-594.

Brasil. (2009).Decreto Nº 6.871, de 4 de Junho de 2009. Regulamenta a Lei no 8.918, de 14 de julho de 1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Disponível em: . Acesso em: 13 de Abril de 2018.

Brasil. (2010).Instrução Normativa Nº 35, de 16 de Novembro de 2010. Estabelecer, na forma desta Instrução Normativa, a complementação dos padrões de identidade e qualidade para as bebidas alcoólicas por mistura, comercializadas em todo o território nacional. Disponível em: . Acesso em: 13 de Abril de 2018.

Brasil. (2013). Resolução De Diretoria Colegiada – RDC Nº 5, de 4 de Fevereiro de 2013. Aprova o uso de aditivos alimentares com suas respectivas funções e limites máximos para bebidas alcoólicas (exceto as fermentadas). Disponível em:. Acesso em: 24 de Maio de 2018.

Calgaro, M.; Braga, M. B. (2012). A cultura da acerola. Brasília, DF: Embrapa, Coleção plantar, 3 ed., 144 p.

Costa, A. et al. (2012). Clinical, biometric and ultrasound assessment of the effects of daily use of a nutraceutical composed of lycopene, acerola extract, grapeseed extract and Biomarine Complex in photoaged humanskin. Anais Brasileiros de Dermatologia, p. 52-61.

Embrapa -Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2018). Acerola. Disponível em: . Acesso em: 14 de Abril de 2018.

Freitas, C. A. S. et al. (2006). Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 12, n. 4, p. 395-400.

Geöcze, A.C. (2007). Influência da preparação do licor de jabuticaba (Myrciaria Jaboticaba Vellberg) no teor de compostos fenólicos. Belo Horizonte: Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais, 14 p.

Henshall, J.D. (1981). Ascorbic acid in fruit juices and beverages. In: Counsell, J.N.; Horning, D.H. eds. Vitamin C (Ascorbic Acid). London: Applied Science.

Instituto Adolfo Lutz. (2008). Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo: IMESP, 4 ed., 1020 p.

Klosterhoff, R. R.et al. (2017). Anti-fatigue activity of na arabinan-richpectin from acerola (Malpighiae marginata). International Journal of Biological Macromolecules, 7 p.

Kuasnei, M.; Leonarski, E.; Pinto, V. Z.; Rodrigues, M. X. (2017).Pesquisa de mercado: uma abordagem visando o desenvolvimento de licores de frutas. FRUSUL - Simpósio de Fruticultura da Região Sul, [S.l.], v. 1, n. 1.

Leffa, D. D.et al. (2016).Effects of Acerola (Malpighiae marginata DC.) Juice Intake on Brain Energy Metabolism of Mice Fed a Cafeteria Diet. Springer Science + Business Media New York, 10 p.

Lima, V.L.A. G.; Mélo, E. A.; Lima, L. S.; Lima, D. E. S. (2002). Polpa congelada de acerola: efeito da temperatura sobre os teores de antocianinas e flavonóis totais. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 3, p. 669-670.

Lopez, A. P. A. T.; Ganassin, G. S.; Marcon, S. S.; Decesaro, M. N. (2015).Abuso de bebida alcoólica e sua relação no contexto familiar. Estudos de Psicologia, v. 20, n. 1, p. 22-30.

Malegori, C.; Grassi, S.; Marques, E. J. N.; Freitas, S. T.; Casiraghia, E.(2016). Vitamin C distribution in acerola fruit by near infrared hyper spectral imaging. Journal of Spectral Imaging, 4 p.

Marques, T. R.; Corrêa, A. D.; Lino, J. B. R.; Abreu, C. M. P.; Simão, A. A. (2013). Chemical constituents and technological functional properties of acerola (Malpighiae marginata DC.) waste flour. Food Science and Technology, Campinas, v. 33, n. 3, p. 526-531.

Matsuura , F. C. A. U. et al. (2001).Avaliações físico-químicas em frutos de diferentes genótipos de acerola (Malpighiae punicifolial.). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal - SP, v. 23, n. 3, p. 602-606.

Mejía-Gutiérrez, L. F.; Díaz-Arangoa, F. O.; Caicedo-Eraso, J. C. (2015).Caracterización fisicoquímica y sensorial de licor de mora de Castilla (RubusglaucusBenth) producido em el municipio de Aránzazu. Revista Vector, p. 54-58.

Mezadri, T., Villaño, D., Fernández-Pachón, M. S., García-Parrilla, M. C.; Troncoso, A. M. (2008). Antioxidant compounds and antioxidant activity in acerola (Malpighiae marginata DC.) fruits and derivatives. Journal of Food Composition and Analysis, v. 21, n. 4, p. 282-290.

Morzelle, M. C.; Souza, E. C.; Assumpção, C. F.; Flores, J. C. J.; Oliveira, K. A. M. (2009).Agregação de valor a frutos de ata através do desenvolvimento de néctar misto de maracujá (Passiflora edulissims) e ata (Annonas quamosa l.). Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 20, n. 3, p. 389-393.

Nogueira, A. M. P. Filho, W. G. V. (2005). Ultra e microfiltração do licor de acerola. Brazilian Journal of Food Technology, v.8, n.4, p. 305-311.

Nogueira, R. J. M. C.; Moraes, J. A. P. V.; Burity, H. A.; Junior, J. F. S. (2002).Efeito do estágio de maturação dos frutos nas características físico-químicas de acerola. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 37, n. 4, p. 463-470.

Nunes, R. et al. (2013). Genotoxic and antigenotoxic activity of acerola (Malpighiae glabra L.) extract in relation to the geographic origin. Phytotherapy Research, 27(10), p. 1495-1501.

Oliveira, E. N. A.; Santos, D. C.; Gomes, J. P.; Rocha, A. P. T.; Albuquerque, E. M. B. (2015). Estabilidade física e química de licores de graviola durante o armazenamento em condições ambientais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, PB, UAEA/UFCG, v.19, n.3, p.245–251.

Oliveira, E. N. A.; Santos, D. C.; Santos, Y. M. G.; Buchweitz, P. R.; Gomes, J. P. (2016). Soursop liquor processing: influence of the process variables on the physical and chemical characteristics. Revista Caatinga, Mossoró, v. 29, n. 1, p. 246 – 256.

Oliveira, E. N. A.; Santos, D. C.(2011). Processamento e avaliação da qualidade de licor de açaí(Euterpe oleracea Mart.). Revista do Instituto Adolfo Lutz, 534-541.

Oliveira, E. R.; Oliveira De Deus, K.;Caliari, M. (2015). Production, characterization and acceptability of different alcohol-based pineapple liqueurs. Revista Verde (Pombal - PB - Brasil) v. 10, n.1, p. 108 - 114.

Oliveira, M. P. M.; Oliveira, V. L. M. I.; Nakayama, V. L. T.; Freire, L. J. (2008). Análise Sensorial. Departamento da Merenda escolar: Prefeitura do Município de São Paulo, SP, 37 p.

Penha, E. M. (2006). Licor de Frutas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, Embrapa Agroindústria de Alimentos, 40p.

Penha, E. M.; Della Modesta, R. C.; Gonçalves, E. B.; Silva, A. L. S.; Moretti, R. H. (2003). Efeito dos Teores de Álcool e Açúcar no Perfil Sensorial de Licor de Acerola. Brazilian Journal of Food Technology, v. 6, n. 1, p. 33-42.

Pina, C. A. (2014). Desenvolvimento de Licor de Caju: Aproveitamento do pedúnculo de caju para a produção de cajuína.(Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”, Brasil.

Prakash, A.; Prabhudev, S. H.; Vijayalakshmi, M. R.; Prakash, M.; Baskaran, R. (2016).Implicationofprocessinganddifferentialblendingonqualitycharacteristics in nutritionallyenriched ketchup (Nutri-Ketchup) from acerola and tomato. Association of Food Scientists & Technologists, 11 p.

Reis, J. T. (2015). Setor de bebidas no Brasil: Abrangência e Configuração Preliminar. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, p. 205-222.

Ritzinger, R.; Ritzinger, C. H. S. P. (2011). Acerola. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 32, n. 264, p. 17-25.

Rufino, M. S. M., Perez-Jimenez, J., Tabernero, M., Alves, R. E., Brito, E. S. D., & Saura-Calixto, F. (2010). Acerola and cashewapple as sources of antioxidants and dietary fibre. International Journal of Food Science & Technology, p. 2227-2233.

Silva, J. B. et al. (2016). Desenvolvimento de sorvete de azeite de oliva extra virgem. XXV Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 5 p.

Silva, M. L. S.; Menezes, C. C.; Portela, J. V. F.; Alencar, P. E. B. S.; Carneiro, T. B. (2013). Teor de carotenoides em polpas de acerola congeladas. Mossoró, RN, Brasil: Revista Verde, v. 8, n. 1, p. 170 – 173.

Souza, M. B. (2015). Elaboração de um Licor a base de acerola (Malpighiae marginata) com mel. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Sergipe, Campus Professor José Aloísio de Campos, Brasil.

Stadnik, P.; Borges, S.; Borges, D.(2015). Avaliação da qualidade de licor de maçã com hortelã (Mentha sp.) elaborado com açúcar orgânico em substituição ao açúcar convencional. Revista Connection Line, n. 12, 7 p.

Taste. Frederico, E. (2013). Licores. Disponível em: . Acesso em: 23 de Maio de 2018.

Teixeira, L. J. Q. (2004).Avaliação Tecnológica de um processo de produção de licor de banana. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade federal de Viçosa, Viçosa, 81 p.

Teixeira, L. J. Q.; Ramos, A. M.; Chaves, J. B. P.; Silva, P. H. A.; Stringheta, P. C. (2005). Avaliação Tecnológica da extração alcoólica no processamento de licor de banana. BOLETIM CEPA, Curitiba, v. 23, n. 2, p. 329-346.

Teixeira, L. J. Q.; Ramos, A. M.; Chaves, J. B. P.; Silva, P. H. A.; Stringheta, P. C. (2007). Testes de aceitabilidade de licores de banana. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 13, n. 2, p. 205-209.

Venturini Filho, W. G. (Coord.). (2010). Bebidas Alcoólicas: ciência e tecnologia. São Paulo: Blucher, v. 1, 461 p.

Vieira, V. B.; Rodrigues, J. B.; Brasil, C. C. B.; Rosa, C. S. (2010). Produção, caracterização e aceitabilidade de licor de camu-camu (Myrciaria Dúbia (H.B.K.) Mcvaugh). Alimento Nutrição. Araraquara, v. 21, n. 4, p. 519-522.

Villegas, I. C. (2007). La Acerola (Malpighiae marginata) em Costa Rica. Ministério de Agricultura y ganadería, 28 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i1.657

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo