ELABORAÇÃO E CARCATERIZAÇÃO SENSORIAL DE LICOR DE GOIABA

Jhenyfer Caroliny Almeida, Sandra Regina Marcolino Gherardi

Resumo


O objetivo deste trabalho foi desenvolver um licor de goiaba e submetê-lo às análises físico-químicas (pH, Acidez Total Titulável (ATT), Sólidos Solúveis (SS) em graus Brix e teor alcoólico (%v/v) e sensoriais, com escala hedônica de 9 pontos e intenção de compra de 5 pontos. Os resultados das análises físico-químicas de pH, Acidez Total Titulável, Sólidos Solúveis e teor alcoólico foram 4,19; 0,15g/L; 19°Brix e 15% respectivamente, estando estes, de acordo com os padrões fixados pela legislação. Para o teste sensorial de aceitação, obteve-se resultados médios acima de 7 (gostei moderadamente) e para a intenção de compra, 4 (provavelmente compraria). Em todos os atributos avaliados no teste de aceitação não houve diferença significativa (p>0,05), no entanto, o aroma e o sabor foram os atributos mais apreciados. O licor de goiaba agradou ao público consumidor de licores de frutas, mostrando ser viável sua comercialização. 

Palavras-chave


Licor de goiaba; análises físico-químicas; grau Brix; aceitação

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, J. C. V. et al. (2010). Produção de licores de frutas e ervas aromáticas no município de Paulista-PE. In: Anais de 2010, Jornada De Ensino, Pesquisa e Extensão, Recife-PE, 10p.

Batista, V. (2015). Cachaça conquista a Europa, mas ainda tem obstáculos a enfrentar. Disponível em: . Acesso em: 27 de Junho de 2018.

Bertagnolli, S. M. M. et al. (2017). Natural sparkling guava wine: volatile and physicochemical characterization. Revista Ciência Rural, Santa Maria, v. 47, 9p.

Brackmann, A.; Anese, R. O.; Both, V.; Thewes, F. R.; Fronza, D. (2012). Atmosfera controlada para o armazenamento de goiaba cultivar ‘Paluma’. Revista Ceres, Viçosa, v. 59, n.2, p. 151-156.

Brasil. (2009).Decreto Nº 6.871, de 4 de Junho de 2009. Regulamenta a Lei no 8.918, de 14 de julho de 1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Disponível em: . Acesso em: 13 de Abril de 2018.

Brasil.(2010).Instrução Normativa Nº 35, de 16 de novembro de 2010. Estabelecer, na forma desta Instrução Normativa, a complementação dos padrões de identidade e qualidade para as bebidas alcoólicas por mistura, comercializadas em todo o território nacional. Disponível em: . Acesso em: 13 de Abril de 2018.

Castro, D. S. et al. (2018). Desenvolvimento e avaliação sensorial de goiaba-passa desidratada osmoticamente. Brazilian Journal of Food and technology, Campinas, v. 1, 8p.

Corrêa, M. I. C. (2002). Processamento de néctar de goiaba (Psidium guajava L. Var. Paluma): compostos voláteis, características e químicas e qualidade sensorial. (Dissertação de mestrado). Viçosa, MG: Ciência e Tecnologia em Alimentos da Universidade Federal de Viçosa, Brasil.

Geöcze, A.C. (2007).Influência da preparação do licor de jabuticaba (Myrciaria Jaboticaba Vellberg) no teor de compostos fenólicos. (Dissertação de mestrado). Belo Horizonte, MG: Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Instituto Adolfo Lutz. (2008). Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo: IMESP, 4 ed., 1020p.

Kuasnei, M.; Leonarski, E.; Pinto, V. Z.; Rodrigues, M. X. (2017).Pesquisa de mercado: uma abordagem visando o desenvolvimento de licores de frutas.FRUSUL - Simpósio de Fruticultura da Região Sul, v. 1, n. 1.

Lima, M. A. C.; Assis, J. S.; Gonzaga Neto, L. (2002). Caracterização dos frutos de goiabeira e seleção de cultivares na região do Submédio São Francisco. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal - SP, v. 24, n. 1, p. 273-276.

Lima, R.K. et al. (2010). Composition of the essential oil from the leaves of tree domestic varieties and one wild variety of the guava plant (Psidium guajava L., Myrtaceae). Brazilian Journal of Pharmacognosy, v.20, n.1, p.41-44.

Lunguinho, F. S.; Santos, A. F.; Bezerra, J. M.; Vieira, M. M. S. (2014). Avaliação não destrutiva na conservação de goiaba ‘Paluma’ com o uso de embalagens modificadas. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal-PB, v. 9, n. 5, p. 40-50.

Morzelle, M. C.; Souza, E. C.; Assumpção, C. F.; Flores, J. C. J.; Oliveira, K. A. M. (2009).Agregação de valor a frutos de ata através do desenvolvimento de néctar misto de maracujá (Passiflora edulissims) e ata (Annonas quamosa L.). Alimentos e Nutrição, Araraquara, v.20, n.3, p. 389-393.

Oliveira, E. N. A.; Santos, D. C. (2011). Processamento e avaliação da qualidade de licor de açaí(Euterpe oleracea Mart.). Revista do Instituto Adolfo Lutz, p. 534-541.

Oliveira, E. N. A.; Santos, D. C.; Santos, Y. M. G.; Buchweitz, P. R.; Gomes, J. P. (2016). Soursopliquorprocessing:influenceoftheprocessvariablesonthephysicalandchemicalcharacteristics. Revista Caatinga, Mossoró, v. 29, n. 1, p. 246 – 256.

Oliveira, E. R.; Oliveira De Deus, K.; Caliari, M. (2015). Production, characterization and acceptability of different alcohol-based pineapple liqueurs. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal - PBl,v. 10, n.1, p. 108 – 114.

Penha, E. M. (2006). Licor de Frutas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, Embrapa Agroindústria de Alimentos, 40p.

Pina, C. A. (2014). Desenvolvimento de Licor de Caju: Aproveitamento do pedúnculo de caju para a produção de cajuína. (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”, Brasil.

Pommer, C. V.; Murakami, K. N. R.; Watlington, F. (2009). Goiaba no mundo. O Agronômico, v. 58, p. 22-26.

Reis, J. T. (2015). Setor de Bebidas no Brasil: Abrangência e Configuração Preliminar. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, p. 205-222.

Sahoo, N. R.; Panda, M. K.;Bal, L. M.; Pal, U. S.; Sahoo, D. (2015). Comparatives tudy of MAP and shrink wrap packaging techniques for shelf life extension of fresh guava. Scientia Horticulturae, v. 182, n. 23, p. 1-7.

Sebrae. (2014). Fabricar licores pode ser algo lucrativo. Disponível em: . Acesso em: 27 de Junho de 2018.

Stadnik, P.; Borges, S.; Borges, D.(2015). Avaliação da qualidade de licor de maçã com hortelã (Menthas.p.) elaborado com açúcar orgânico em substituição ao açúcar convencional. Revista Connection Line, n. 12, 7p.

Teixeira, L. J. Q.; Ramos, A. M.; Chaves, J. B. P.; Silva, P. H. A.; Stringheta, P. C. (2005). Avaliação Tecnológica da extração alcoólica no processamento de licor de banana. BOLETIM CEPA, Curitiba, v. 23, n. 2, p. 329-346.

Viera, V. B.; Rodrigues, J. B.; Brasil, C. C. B.; Rosa, C. S. (2010).Produção, caracterização e aceitabilidade de licor de camu-camu (Myrciaria dúbia (H.B.K.) Mcvaugh). Alimento Nutrição. Araraquara, v. 21, n. 4, p. 519-522.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v1i13.875

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




Direitos autorais 2018 Sandra Regina Marcolino Gherardi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Indexada nas seguintes bases:

 

          

Uma publicação da Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação do IFGoiano - Câmpus Urutaí

 

  

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.