A Crise do Contrato Social da Modernidade, A Emergência do Fascismo Social e o Lulismo

Fernando Rocha Rodrigues

Resumo


O presente artigo propõe problematizar a situação política atual experienciada no Brasil. O ressurgimento de um pensamento conservador, fruto de uma grande crise social da modernidade que caminha rumo a emergência de um fascismo social e a verdadeira face da política do partido dos trabalhadores, suas conquistas, avanços, crises, e demonização de um presidente popular, ao mesmo tempo amado e odiado.


Palavras-chave


política, fascismo social, lulismo

Texto completo:

PDF

Referências


Santos, B. de S. (2006), "La universidad en el siglo XXI. Para una reforma democrática y emancipadora de la universidad", Umbrales. Revista del Postgrado en Ciencias del Desarrollo, 15, 13-70.

HOBBES, T. (2003). Leviatã. Tradução: João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes.

ROUSSEAU, J-J.(1757). O contrato social. In: Oeuvres completes, tome III. Collection “Pléíade”. Paris: Gallimard.

LOCKE, J. (1979). Ensaios sobre o entendimento humano. 2a ed. São Paulo: Abril Cultural.

Koselleck, R. (2006). Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio.

Santos, B. de S. (2002), "El Estado y los modos de reprodución del poder social", Nueva Época, 2, 17-29

Singer, A. (2012). Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo, Cia. das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i1.886

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo