ALTERNATIVAS DE MANEJO DE CAPIM AMARGOSO

Juliana Lourenço Nunes Guimarães, Fernando Couto de Araújo, Gabriel Felipe Pereira de Sousa, Julio Cesar de Lima Veloso, Gabriel Laruzo Rabelo, Marco Antônio Moreira de Freitas

Resumo


O capim amargoso é uma importante planta daninha em áreas de cultivo de soja na região sudeste de Goiás nos últimos anos, devido ao seu difícil controle. Objetivou-se neste trabalho avaliar eficiência da aplicação de diferentes herbicidas, com ou sem roçada mecânica, para controle de D. insularis perenizada. O experimento foi conduzido no IF Goiano Campus Urutaí/GO, com capim amargoso cultivado em vasos de 12 L, manejado de duas formas até a aplicação dos tratamentos: capim não roçado, com 130 dias após o transplantio, e capim roçado aos 90 dias após o transplantio, com aplicação dos herbicidas após 40 dias, na rebrota. Os tratamentos com herbicidas foram: Glyphosate 1.440 g e.a. ha-1, Cletodim 108 g i.a. ha-1, Haloxifop-p-methyl 62,35 g. i.a. ha-1 e mais uma testemunha sem aplicação de herbicidas. Foram realizadas avaliações visuais de controle em cinco épocas até os 42 dias após a aplicação dos herbicidas (DAA), sendo coletada a parte aérea das plantas aos 42 DAA para determinação da matéria seca. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste LSD de Fisher para comparação entre as médias, a 5% de probabilidade. Os herbicidas não proporcionaram controle das plantas não roçadas, com fitointoxicação abaixo de 7,6%. O manejo de roçada seguido pela aplicação dos herbicidas proporcionou controle significativo do capim amargoso, com fitointoxicação de 82%, 59% e 64% para os herbicidas Glyphosate, Cletodim e Haloxyfop-p-methyl, respectivamente, mas sem provocar a morte das plantas, se mostrando como alternativa viável a integração do método do controle mecânico seguido pelo controle químico para aumento da eficácia no manejo de capim amargoso em áreas com alto índice de infestação.

Palavras-chave


Digitaria insularis, plantas daninhas, resistência, herbicidas, manejo integrado.

Texto completo:

PDF

Referências


Asociación Latinoamericana De Malezas – ALAM. (1074). Recomendaciones sobre unificación de los sistemas de evaluación en ensayos de control de malezas (p.35-38). ALAM, Bogotá.

Brookes, G., Barfoot, P. (2016). GM crops: global socio-economic and environmental impacts 1996-2014. Dorchester: Pg Economics Ltda, UK, 198 p.

Carpejani, M. S., Oliveira Jr., R. S. (2013). Manejo químico de capim-amargoso resistente a glyphosate na pré-semeadura da soja. Revista Ciências Exatas e da Terra e Ciências Agrárias e Engenharias, 8(1), 26-33.

Correia, N. M., Acra, L. T., Balieiro, G. (2015). Chemical control of different Digitaria insularis populations and management of a glyphosate-resistant population. Planta Daninha, 33(1), 93-101.

Correia, N. M., Leite, G. J., Garcia, L. D. (2010). Resposta de Diferentes Populações de Digitaria insularis ao Herbicida Glyphosate. Planta Daninha, 28(4), 769-776.

Correia, N. M., Durigan, J. C. (2009). Manejo químico de plantas adultas de Digitaria insularis com glyphosate isolado e em mistura com chlorimuron-ethyl ou quizalofop-p-teruril em área de plantio direto. Bragantia, 68(3), 689-697.

Gemelli, A. et al. (2013). Estratégias para o controle de capim-amargoso (Digitaria insularis) resistente ao glyphosate na cultura milho safrinha. Revista Brasileira de Herbicidas, 12(2), 162-170.

Machado, A. F. L. et al. (2006). Análise de crescimento de Digitaria insularis. Planta Daninha, 24(4), 641-647.

Machado, A. F. L. et al. (2008). Caracterização anatômica de folha, colmo e rizoma de Digitaria insularis. Planta Daninha, 26(1), 1-8.

Mondo, V. H. V., Carvalho, S. J. P., Dias, A. C. R., Marcos Filho, J. (2010). Efeitos da luz e temperatura na germinação de sementes de quatro espécies de plantas daninhas do gênero Digitaria. Revista Brasileira Sementes, 32(1), 131-137.

Monquero, P. A., Christoffoleti, P. J. (2003). Dinâmica do banco de sementes em áreas com aplicação frequente do herbicida glyphosate. Planta Daninha, 21(1), 63-69.

Oliveira Jr, R. S. (2011). Mecanismos de ação dos herbicidas. In: Oliveira Jr., R. S., Constantin, J., Inoue, M. H. (Eds.). Biologia e manejo de plantas daninhas. Omnipax Editora (p. 141-192).

Parreira, M. C., Espanhol, M., Duarte, D. J., Correia, N. M. (2010). Manejo químico de Digitaria insularis em área de plantio direto. Revista Brasileira Ciências Agrárias, 5(1), 13- 17.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. http://www.R-project.org/. Acesso em: 08 de outubro de 2017.

Silveira, H. M., Langaro, A. C., Cruz, R. A., Sediyama, T., Silva, A. A. (2018). Gyphosate efficacy on sourgrass biotypes with suspected resistance collected on GR-crop fields. Acta Scientiarum Agronomy, 40(1), 69-74.

Velini, E. D., Duke, S. O., Trindade, M. L. B., Meschede, D. K., Carnonari, C. A. (2009). Modo de ação do glyphosate. In: E. Domingues Velini et al. Glyphosate (p. 113). Botucatu: FEPAF.

Zobiole, L. H. S. et al. (2016). Controle de capim-amargoso perenizado em pleno florescimento. Revista Brasileira de Herbicidas, 15(2), 157-164.




DOI: http://dx.doi.org/10.33837/msj.v2i1.925

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo