Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

GTranslate

    pt    en    fr    es
Início do conteúdo da página
Agronegócio

Ceagre implantará melhorias para auxiliar agricultores na safra 2024/25

0
0
0
s2sdefault
Publicado: Sexta, 17 de Mai de 2024, 10h22 | Última atualização em Terça, 21 de Mai de 2024, 10h02 | Acessos: 202

Objetivo é permitir avaliações agrometeorológicas mais rápidas e precisas para ajudar na tomada de decisões e evitar prejuízos.

Pesquisador Fernando Cabral acompanha imagens de monitoramento provenientes de estações meteorológicas. Foto: Ceagre
Pesquisador Fernando Cabral acompanha imagens de monitoramento provenientes de estações meteorológicas. Foto: Ceagre

O Instituto Federal Goiano (IF Goiano), por meio do Centro de Excelência em Agricultura Exponencial (Ceagre) e do Centro de Excelência em Estudos, Monitoramento e Previsões Ambientais do Cerrado (Cempa-Cerrado) e em conjunto com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) estudam a ampliação do Sistema de Informações Agrometeorológicas (Siag) para o Sudoeste do estado, com vistas à safra da soja 2024/25. O objetivo é permitir avaliações mais rápidas e precisas que possam auxiliar produtores a evitar prejuízos como os obtidos na safra passada, em virtude das fortes ondas de calor e irregularidade das chuvas que afetaram o estado de Goiás.

Atualmente, as avaliações meteorológicas são efetuadas semanalmente e com maior foco no município de Rio Verde. Essas previsões já contribuíram para a tomada de decisões quanto aos impactos sofridos nas lavouras no final do ano passado e início deste ano, quando, inclusive, o Governo do Estado de Goiás declarou estado de emergência para a região. Mas na próxima safra pretende-se implantar previsões de tempo específicas para outros municípios, que detectam temperatura, umidade e chuvas semanais num período de seis horas, para todas as cidades do Sudoeste.

Para tanto, serão ampliadas a rede de estações meteorológicas – atualmente são nove distribuídas em propriedades da região - e sensores de superfície, a equipe técnica e a capacidade de processamento e análise de dados. Essas informações e estudos desenvolvidos por uma equipe multidisciplinar de pesquisadores são capazes de auxiliar os agricultores no cultivo e na implementação de estratégias de readequação de acordo com as condições do clima.

O Siag é um sistema de repasse das informações feito por meio de um grupo no aplicativo WhatsApp. O grupo tem hoje cerca de 400 produtores e jornalistas do agronegócio conectados a veículos de comunicação proeminentes neste mercado. A iniciativa é uma estratégia de democratização do acesso dos agricultores a dados meteorológicos pertinentes às suas lavouras, contribuindo para que eles possam ter uma noção mais aprofundada sobre as mudanças climáticas e os seus impactos nas culturas.

Na última safra, por exemplo, a irregularidade das chuvas e o registro de vários dias com temperaturas próximas de 40° prejudicaram a evolução do cultivo da soja, especialmente na região Centro-Oeste. “Para essa cultura, as temperaturas ótimas de crescimento se situam entre 24 °C e 30 °C”, explica o professor e pesquisador do Ceagre Adinan Alves. Segundo ele, aumentos em torno dessas médias prejudicam o crescimento e a produtividade, sobretudo se ocorrerem associados a outros fatores de estresse ambiental.

Essas condições exigiram dos produtores replantio da soja e antecipação do plantio do milho safrinha mas, mesmo assim, as perdas na produtividade chegaram a 23% de acordo com relatório feito pela Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Goiás (Faeg) e a cotação dos grãos ficou 30% menor em comparação com o ano anterior, de acordo com o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag).

Na avaliação do Ceagre, as condições climáticas do primeiro trimestre deste ano também não favoreceram o cultivo da soja. Houve chuvas, mas irregulares, intensas, com rajadas de ventos fortes e, em alguns locais, queda de granizo. De acordo com o pesquisador do Centro de Excelência e da Cempa Angel Domínguez Chovert, essas condições também afetaram o andamento da colheita da soja, especialmente pela alta umidade do solo neste período.

Ceagre Experience - Além dos estudos no campo da agrometeorologia, o Ceagre estuda, por meio do Laboratório de Inovação Técnica (LIT) de Ecofisiologia e Produtividade Vegetal do Instituto Federal Goiano – Campus Rio Verde, estudos para identificação de cultivares de soja mais tolerantes às ondas de calor e seus impactos.  Todas essas pesquisas foram apresentadas durante o 3° Ceagre Agro Experience, evento promovido em Rio Verde pelo Centro de Excelência de terça, 14, a quinta-feira, 16, com o tema "Mudanças climáticas e seus impactos na agricultura” (veja abaixo).

Rio Grande do Sul – Em virtude da tragédia climática ocorrida no Rio Grande do Sul, o Ceagre e o Cempa também têm utilizado o Siag para repassar informações relacionadas à previsão do tempo da região para os próximos dias. “Muitos agricultores têm familiares que moram no Sul e esta é uma maneira de informá-los onde e com qual intensidade ocorrerão as próximas chuvas”, explica o professor Fernando Cabral, pesquisador do Ceagre.

 

Saiba mais: IF Goiano promove 3° Ceagre Agro Experience em Rio Verde

 

Diretoria de Comunicação Social

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página